TRAJETÓRIA

Domingos Montagner e Fernando Sampaio conheceram-se no Circo Escola Picadeiro em São Paulo, onde iniciaram a dupla de palhaços. Ali criaram e levaram às ruas, reprises, entradas e outros números circenses, desenvolvidos sob a orientação do Mestre Roger Avanzi, o Palhaço Picolino. Em 1997, criam o Grupo La Mínima, que estreou com o espetáculo “LaMínima Cia. de Ballet”, baseada no humor físico e nas clássicas paródias acrobáticas.

Desde então, o circo e a arte do palhaço de picadeiro conduzem o trabalho da dupla, em espetáculos como “À La Carte” (2001), espetáculo sem fala, supervisionado por Leris Colombaioni e roteiro de Paulo Rogério Lopes, “Piratas do Tietê, O Filme” (2003), adaptada exclusivamente para teatro por Laerte. “A Noite dos Palhaços Mudos” (2008), inspirada em HQ de Laerte, dirigido por Alvaro Assad, “O Médico e Os Monstros”(2008) adaptação de Mário Viana e direção de Fernando Neves, “RÁDIO VARIÉTÉ” (2010), espetáculo de rua sob a supervisão de Antonio Nobrega e Rosane Almeida; “MISTERO BUFFO” (2012), De Dario Fo, direção de Neyde Veneziano, e o recente “Pagliacci (2018), dirigido por Chico Pelúcio e escrito por Luis Alberto de Abreu.

 

A companhia possui também ampla trajetória em festivais de teatro e circo nacionais e internacionais como o Festival de Curitiba – Mostra Oficial (2000), 23º Festival Mundial de Circo de Demain - Paris (2002), Teatralia – Madrid (2002), 21º Festival Internacional Teatro a Mil – FITAM – Chile (2004), Festclown de Brasília (2006 e 2009, 2011, 2013 e 2015), entre outros.

Dentre os principais prêmios recebidos pelo LaMínima estão PRÊMIO SHELL  DE TEATRO SP – MELHOR ATOR (2008) para Domingos Montagner e Fernando Sampaio, Prêmio de Melhor Espetáculo de Sala Convencional e Melhor Elenco através do Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro 2008, todos com o espetáculo “A Noite dos Palhaços Mudos”,  dois APCA: Melhor Espetáculo Infanto-Juvenil, por “Piratas do Tietê – O Filme” e Melhor Espetáculo com Técnicas Circenses, por “À La Carte”; Prêmio Coca-Cola FEMSA na Categoria Especial pela Valorização de Números Circenses de Humor Físico de 2007, por “Reprise” e tantos outros em seus 20 anos de formação.

Domingos e Fernando são também os fundadores do Circo Zanni, coletivo de artistas que buscam revitalizar a importância da arte circense e dos circos de pequeno e médio porte, na vida cultural das cidades.

DOMINGOS

MONTAGNER

No ano de 2016 a dupla de palhaços Agenor e Padoca não existiria mais.  Aos 54 anos, Domingos Montagner saiu de cena, deixando um grandioso legado e um exemplo de generosidade como artista e ser humano.

Continuidade

Pagliacci celebra os 20 anos do grupo criado por Domingos e Fernando Sampaio.

Após a perda de Montagner, Luciana Lima, produtora do La Mínima, atriz e esposa de Montagner, nunca questionou se o projeto deveria ou não continuar: “Nunca pensei em desistir da comemoração dos 20 anos do grupo. Não foi uma escolha racional [prosseguir], porque é uma forma de termos, continuamente, a ‘presença’ do Domingos, ponderando a todo momento como ele agiria nas situações, das grandes decisões até aos mínimos detalhes.”

Assim o LaMínima caminha e continua sua trajetória. No texto escrito por Domingos sobre os 20 anos do grupo, ele dizia “queremos comemorar [essa história], apresentando espetáculos que percorreram muita estrada, realizando uma exposição com fotos, figurinos, objetos que andaram conosco e estrear Pagliacci, um novo companheiro para nos ajudar a construir mais um trecho deste caminho, que ainda não sabemos onde é o fim“.