PAGLIACCI

Um velho bufão começa narrando ao público como Canio, o chefe de uma tradicional trupe de palhaços, ambicionava tornar-se reconhecido e respeitado como artista de “bom gosto” e produtor de espetáculos “de nível”. Para isso, resolve abandonar os tradicionais números circenses de palhaçaria e concebe um espetáculo cujos números cômicos refinados não seriam mais do que a preparação para um requintado melodrama, uma peça que “expusesse no palco as grandes emoções humanas”. E, além disso, trouxesse o sucesso popular e o reconhecimento da crítica. Para isso, lança mão dos préstimos do velho bufão da companhia que começa a escrever o dramalhão, não sem a interferência autoritária de Canio que quer ditar os rumos do texto encomendado. O bufão, então, resolve escrever uma peça à imagem e semelhança da companhia, expondo sua história, seus dramas, ciúmes, traição conjugal e vilanias. Durante a estreia do espetáculo fica evidente o fracasso da encenação do melodrama junto ao público, bem como a percepção de Canio de que ele está representando no palco a sua própria história. O chefe dos palhaços e da companhia se revela o palhaço de seu próprio melodrama. Pagliacci é uma adaptação do entrecho básico da ópera “I Pagliacci”, de Ruggero Leoncavallo, e foi criada especialmente para comemorar os vinte anos do Grupo LaMínima em 2017. Mistura números com fartas doses de comicidade e elementos líricos e melodramáticos, bem ao gosto da tradição do circo brasileiro.

HISTÓRICO

2015   Vencedor do Prêmio Zé Renato para a cidade de São Paulo, 2015;

2017   Estreou em 30 de março, no Centro Cultural Fiesp, permanecendo em temporada até 02 de julho do mesmo ano.

2017   Vencedor do edital de Fomento ao Circo para a cidade de São Paulo, para temporada no Teatro João Caetano.

2017   Temporada de 03 de novembro a 12 de novembro de 2017, no Teatro João Caetano – SP.

2017   Temporada de 23 de novembro a 17 de dezembro de 2017, no Sesc Ginástico – RJ.

2018   Temporada de 12 a 28 de janeiro, no Sesc Santo André – SP.

2018   Temporada de 21 de fevereiro a 25 de março no Centro Cultural Fiesp.

2018   Circulação pelo Programa Sesi Viagem Teatral

2018   Participação no projeto Circo para toda família, no Sesc Vila Mariana – São Paulo

2019   Temporada de 19 de janeiro a 02 de fevereiro no Sesc Santana - SP

2019   Apresentações de 15 a 17 de março no Sesc Belenzinho - SP 

FESTIVAIS

  • 18º Festival Mundial de Circo do Brasil – BH

PRÊMIOS

  • 2018 – Vencedor do 30º Prêmio Shell de Teatro – categoria melhor Música.

  • 2018 – Vencedor na categoria Melhor Direção no Prêmio do Humor – Rio 2018

  • 2018 – Vencedor na categoria Melhor Ator (para Fernando Sampaio) do VI Prêmio Aplauso Brasil.

FICHA TÉCNICA ORIGINAL

Concepção: Domingos Montagner e Fernando Sampaio

Texto e adaptação: Luís Alberto de Abreu

Direção: Chico Pelúcio

Assistência de direção: Fabio Caniatto

Direção musical e música original: Marcelo Pellegrini

Elenco: Alexandre Roit, Carla Candiotto, Fernando Paz, Fernando Sampaio, Filipe Bregantim e Keila Bueno

Atriz stand-in: Carla Martelli

Iluminação: Wagner Freire

Cenografia: Marcio Medina e Maristela Tetzlaf

Figurino: Inês Sacay

Adereços: Cecília Meyer

Visagismo: Simone Batata

Pintura artística dos telões: Fernando Monteiro de Barros

Assistente de pintura: Jonathas Souza Braga

Costureiras: Benê Calistro, Célia Calistro e Cidinha Calistro

Direção de produção: Luciana Lima

Produção executiva: Priscila Cha

Administração: José Maria | Nia Teatro

Assistência de produção e de administração: Chai Rodrigues

Assistência de produção: Karen Furbino

Assessoria de Imprensa: Márcia Marques – Canal Aberto

Programação visual: Sato Brasil e Murilo Thaveira>casadalapa

Fotos: Carlos Gueller e Paulo Barbuto

Supervisão geral: Fernando Sampaio e Luciana Lima

 

FICHA TÉCNICA MUSICAL
Música originalmente composta e arranjada por Marcelo Pellegrini
Produção musical: Surdina
 

MÚSICOS
Acordeon:
Gabriel Levy
Violino: Luiz Amato
Violoncelo: Adriana Holtz
Clarinete: Maria Beraldo Bastos
Trompete: Rubinho Antunes
Trombone: Paulo Malheiros

Bateria: Tuto Ferraz
Banjo: Pedro Pastoriz
Bandolim: Ronem Altman
Guitarra: Leonardo Mendes
Projeto de sonorização: Bruno Pinho


MÚSICAS INCIDENTAIS ADICIONAIS
“Intermezzo” e “Vesti la giubba” da ópera “Pagliacci” (Rugero Leoncavallo)
“Preludio – ato I” da ópera “La Traviata” (G. Verdi)
“Coro di zingari” da ópera “II Trovatore” (G. Verdi)
“Preludio – ato I” da ópera “Carmen” (g. bizet)
“Valsa – ato I” de “Coppélia” (L. Delibes)
“Minha vontade” (Chatim)
Flauta, trombone, piano de garrafa, percussão: Alexandre Roit (Canio)
Acordeon, percussão: Carla Candiotto (Strompa)
Serrote, trompete, acordeon: Fernando Paz (Peppe)
Sousafone, concertina, piano de garrafa, teclado de buzina e percussão: Fernando Sampaio (Silvio)
Saxofone, piano de garrafa e percussão: Filipe Bregantim (Tonio)
Voz, percussão: Keila Bueno (Nedda)